Paulo Izael
Escrevo o que sinto, mas não vivo o que escrevo.
Capa Textos Áudios Fotos Perfil Livro de Visitas Contato Links
Textos
Ouvir com música: Copiar: (Ctrl+C)   Colar: (Ctrl+V) 
http://www.pauloizael.com/audio.php?cod=32238

SAUDADES DE VOCÊ

Amor, hoje o céu escureceu mais cedo, nuvens negras descoloriram a tela da vida e todo o sentimento foi tragado pela inexistência do brilho luminoso que aclarava nosso amor. Na verdade, estávamos mergulhados numa solidão unida e jamais estivemos centrados na realidade, tudo gravitava em torno de sonhos. Vivíamos o ápice desdenhoso da utopia que sempre converge para o esmorecimento da aura e emudece o coração. Há tempos não nos vemos. Às vezes desando por ai, beijando bocas vermelhas, tentando encontrar a fragrância do teu perfume. Andei esbarrando em camas redondas, apalpando corpos gelados. Neste alucinado devaneio, cansado de irremediáveis tentativas que me conduziram ao limbo de danosas inconseqüências, acrescido de tristeza e dor, contemplo tua amarelada foto e releio as cartas, onde as palavras saltam do papel e como adjutório amoroso, preenchem o espaço de saudade. Que fins levaram todas as juras de amor infindo? Que faço eu na estrada da vida se não consigo caminhar sem o teu amparo? No desconsolo da razão, a insanidade me concede um abraço e o traço da viagem esboça que para nós, sempre é tarde para sermos felizes. Ainda que combalido pelo implacável viés da trajetória que solicita um infindo desprazer, ainda sinto saudades de você!






www.pauloizael.com

 
Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 07/03/2007
Alterado em 17/08/2013
Áudios Relacionados:
SAUDADES DE VOCÊ - Paulo Izael
Comentários