Paulo Izael
Escrevo o que sinto, mas não vivo o que escrevo.
Capa Textos Áudios Fotos Perfil Livro de Visitas Contato Links
Textos
MOROSIDADE

Mais uma vez,
Esbarro na mesmice
De um lamentável amanhecer.
Antevejo a penosa rotina
Do moroso e tedioso despertar.

Cá do auto, no cume sombrio
De meu despedaçado mundo,
Espio lá embaixo, um curral
Povoado por raquíticos transeuntes.
Todos apressados, inquietos.
Numa frenética busca
A procura de nada, um vazio.

O rosnar desdenhoso da impaciência
Acumula-me, fazendo florir
Um arrebatador cansaço,
Decorrente de inúmeras batalhas.
O que pesa não é o fardo
De consecutivas e impiedosas derrotas,
E, sim, o esmorecimento da mente
Que lateja o enfadonho corpo.

Um evidente e oportunista nojo,
Preenche e abate o desconfortável coração.
Olhei, a manhã estava tingida de negro.
Pássaros sombrios e borboletas assustadoras,
Como que; tencionando arrastar-me.
Percebi cochichos desmerecendo-me.
Estavam rotulando minha alma por definitivo.
Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 12/07/2005
Alterado em 01/08/2005
Comentários