Paulo Izael
Escrevo o que sinto, mas não vivo o que escrevo.
Capa Textos Áudios Fotos Perfil Livro de Visitas Contato Links
Textos
                                  QUASE VIVO

“Uma insólita viagem da alma
ao poço das maldades”
Sir Herzog Izael (1756-1805)



                      Abriu os olhos. Estava paralisado, não conseguia mexer qualquer parte do corpo. Viu os próprios dedos entrelaçados sobre o peito. Atônito, percebeu que estava num caixão. Olhou as pessoas em prantos, todos lamentando a abrupta separação.
                    — Meu Deus, tenha piedade desta alma que agora parte! — disse uma senhora com os olhos avermelhados.
                   Não! Algo estava errado, ele estava vivo, podia enxergar a todos, talvez fosse vitima de algum surto momentâneo do corpo ou estivesse sob efeito anestésico.
                   — Talvez eu tenha sido operado e esteja em coma induzido! – pensou ele, duvidando da própria indagação.
                   — Partiu tão novo — comentou ou senhora agarrada a um crucifixo.
                   — Socorro — gritou ele — estou vivo.
                   O caixão estava aberto, mesmo assim ninguém o estava ouvindo. Ele tentou coçar o testa, mas estava imóvel. Foi acometido por uma inquietação assustadora. Não havia ponderação no pensamento. Tentou se lembrar de algo que antecedesse à situação. Era um homem sem memória.
                   — Apesar de ser um traficante, até que ajudava as pessoas — disse uma velha balançando a cabeça.
                   — Traficante, eu? – perguntou-se ele inconformado.
                   — Traficante sim senhor! Você era uma peste, o senhor das maldades!
                   Ele ouviu com satisfação, finalmente alguém para conversar. “Senhor das maldades”

                   —
“Senhor das maldades”,como assim, quem está falando comigo?
                   — Sou o morto do caixão ao lado.
                   — Morto? Mortos não falam.
                   — Não falam com vivos. Estamos bem mortos. Quando se morre pela primeira vez é quase impossível dissociar o corpo da alma. A abrupta partida causa desorientação. Imagino como dever estar se sentindo, não sendo mais alguém que você foi em vida.
                   — Não me lembro de nada.
                   — Não quer se lembrar.
                   — Estou impaciente,agindo de maneira irracional.
                   — Quando ocorre a escassez da paciência, a mente, numa mutilação desgovernada, emite comandos errôneos ao cérebro que por sua vez, redige loucuras, culminando na irracionalidade da alma!
                  — Está enganado, estou vivo!
                  — Você está num período de transformação. A partida é difícil. Abandonar parentes e amigos e consolidar o desapego desta vida não é tarefa fácil.
                   Ele sentiu o corpo tremer. Incompreendia o momento, mas talvez o colega morto tivesse razão. Chorou copiosamente, contudo, não sentiu as lágrimas escorrerem pela face gelada. Percebeu que podia ver a todos, entretanto, seus olhos estavam fechados.
                   — Acho que estou quase morto! — disse ele, mais para desabafar do que para acreditar.
                   — Quase morto? Essa é boa. Talvez, “quase vivo”!
                   — Que acontece agora, ou será como no filme Ghost, onde a alma era conduzida por anjos ou demônios?
                   — Esqueça tudo o que ouviu sobre o outro lado. Cada alma tem seu próprio destino.
                   — Como sabe?
                   — Não sei, ninguém sabe.
                   — Pensei que tivesse morrido outras vezes.               

                   — Sei que morri, mas não me lembro de como revivi e estou morrendo de novo.
                   — Talvez não estejamos mortos, e apenas em meio a um pesadelo.
                   — Pode ser — assentiu o colega
                  
O que acontece agora?
                   
                   — Seremos levados num cortejo fúnebre até a cova para sermos enterrados. Vem aquela ladainha, o caixão é fechado, alguém joga um pouco de areia e os coveiros terminam o serviço.
                    — E depois disso?
                    — Tudo é uma incógnita.
                    — Alguém deve ter a resposta para este enigma!
                    — Quem sabe não seja você quem decifrará o mistério da morte?
                    Uma repentina ameaça de chuva fez com que o cortejo fosse rápido. Seguindo o ritual, um idoso calvo proferiu algumas palavras e encerrou o pronunciamento. A chuva estava chegando. As primeiras gotas beijaram a terra árida. Ele viu o caixão sendo fechado. Sentiu a respiração faltar, debateu-se, gritou, implorou por ajuda, mas,  combalido, quedou inerte. Fazia dia, mas fez-se noite em seu viver.

www.pauloizael.com

   
Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 20/10/2011
Alterado em 30/10/2011
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários