Paulo Izael
Escrevo o que sinto, mas não vivo o que escrevo.
Capa Textos Áudios Fotos Perfil Livro de Visitas Contato Links
Textos
Perdidos no Presente


Toda a inquietação da humanidade
Na tentativa de conhecer

As obscuridades da natureza,
Compendia indagações,
Teses e teorias inimagináveis
Em busca do saber absoluto.
De que adianta sermos racionais,
Lembrarmos do passado,
Prevermos o futuro,
Quando estamos perdidos no presente?
Na ilógica que permeia o caminho,
Às vezes a vida, tritura os sonhos,
O destino anula o vencedor.
Noutras vezes a vida enleva os sonhos
E o destino abraça o vencedor.
Neste inexorável pêndulo,
Onde a incógnita é vasta,
E o descaminho é o roteiro preferido,
Vagueamos insanos e cegos.
Quase sempre amaldiçoamos a vida
E ignoramos o inelutável destino.
Em algum tempo, quando inexiste a dor,
Até duvidamos do criador.
Acreditamos em entidades, zumbis.
Declaramos um agrado ao santo,
Total devoção aos orixás;
E findamos na quiromancia,
O destino comprado no pré-datado.
Tragados pelo dolor do logro,
Ofertamos fel aos desesperados
E compactuamos com a utopia.
Nossas oferendas são embustes.
Afinal o que somos nós,
Senão criaturas errantes, reacionárias;
Destituídas de esperanças,
Portadoras de pequenos gestos,
Amparados na amplitude da ignorância?
Com ineficácia comprovada;
Sempre mergulhados na inércia,
Focados no berrante modismo
Que impera no desprezível
E eufórico estado patológico.
Ao pé do altar, na falsa genuflexão,
Exaltamos mascarada prece.
Não chegamos nem saímos,
Estamos à mercê dos acontecimentos.
Nos tornamos amorais e glaciais.
Convivemos com guerras fabricadas,
Sustentadas pela miséria planejada.
Assim, no autoflagelo que impera,
Amarrados na própria corrente,
Buscamos alguma bússola,
Totalmente perdidos no presente.


www.pauloizael.com



Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 05/04/2010
Alterado em 26/04/2010
Comentários