Paulo Izael
Escrevo o que sinto, mas não vivo o que escrevo.
Capa Textos Áudios Fotos Perfil Livro de Visitas Contato Links
Textos
COMO POSSO TE ESQUECER?

Hoje, reli tuas cartas amareladas.
No melancólico sótão da memória,
Algumas caixas empoeiradas
Ainda guardam muitos sonhos.
Percebi que o tempo é traiçoeiro,
Não hospeda apenas uma passagem,
Determina a existência de meu amor.
Sinto-me inanimado nesta clausura
Que me acresce de infinda saudade.
Vejo a lua esconder o brilho,
Conspirando contra meu sentimento.
Não consegui transpor a lembrança.
A cada dia sou acometido por lágrimas
Que me punem pela aquiescência
De sempre mergulhar no passado.
Não luto, a intempestividade do rompimento
Enegreceu minha atitude e suscitou a dor.
Minha incompletude fez-me refém
De um amor que há muito partiu.
Agora, embebido no fel do abandono,
No inquietante lamento da reconstrução,
Vi a letargia danosa se avantajar.
Não mais articulo, fui soterrado pelo abandono.
Abracei o vazio, flertei com a tristeza.
No adeus, teus dedos datilografaram o ar
E apagaram a luz que iluminava a felicidade.
Preciso me reciclar, voltar a viver.
Que mais preciso fazer para te esquecer?




Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 22/01/2006
Alterado em 22/06/2010
Comentários